Política

Comemorações do 25 de Abril de 2019 na Nazaré

As Comemorações dos 45 anos do 25 de Abril realizaram-se pela manhã com a tradicional cerimónia do hastear das bandeiras nos Paços do Concelho, que contou com a presença das entidades convidadas da Assembleia Municipal, seguida da sessão de discursos alusivos à “Revolução dos Cravos”.

A necessidade de credibilizar a democracia, o reforço diário das conquistas de há 45 anos e manter viva a memória para que se prepare um futuro melhor para a sociedade foram algumas das ideias destacadas dos discursos dos partidos (BE; CDU; PSD e PS) com representação na Assembleia Municipal.

O Presidente de Câmara da Nazaré, Walter Chicharro, falou das possibilidades que abril de 1974 abriu aos portugueses e à instalação de um novo sistema político local onde, desde 2013, o PS é poder, cujo projeto governativo se tem baseado “em pilares fundamentais, como a sustentabilidade financeira, as obras de proximidade e as obras estruturais”.

O autarca indicou, em seguida, algumas das obras (tais como várias infraestruturas públicas; as intervenções que levaram à certificação ISSO 14001 da Praia da Nazaré; o novo Centro de Saúde ou a modernização dos Paços do Concelho) que deram conforto, bem-estar e uma “imagem de modernidade aliada às suas tradições”, constituindo-se como valores que contribuíram para o aumento da procura da Nazaré, marca que ascendeu ao 4º lugar no Ranking da Bloom Consulting “só sendo ultrapassada por Lisboa, Porto e Funchal”, e que hoje se posiciona como um “destino anual” para várias nacionalidades.

“Estes são apenas alguns dos frutos do trabalho deste executivo, mas são principalmente frutos do 25 de abril”, acrescentou o autarca, sublinhando ainda: “temos de continuar a reinventar Abril, temos de continuar a reinventar Portugal, temos de continuar a potenciar o nosso concelho”.

José Ramalhal, Presidente da Assembleia Municipal, fechou os discursos da data recordando: “abril deu-nos a possibilidade da palavra”, manifestando o desejo de no próximo ano se celebrar o cumprimento de um dos desígnios dessa conquista: “fazermos diferente e proporcionar uma vida melhor a todos”, desde logo começando por “nos ouvirmos uns aos outros”.

As celebrações encerraram com um momento musical com algumas das canções que lutaram contra o regime instaurado, interpretadas por Júlio Estrelinha e Valter Loureiro.