Sociedade

Município da Nazaré assinala mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância

O Município da Nazaré associa-se às iniciativas que alertam para a Prevenção dos Maus Tratos na Infância.

Ações de sensibilização, uma caminhada e uma palestra são algumas das iniciativas para abordar esta problemática, com o objetivo de desenvolver uma maior consciencialização da comunidade e famílias, e da importância de um comportamento de não aceitação de práticas que prejudiquem o desenvolvimento da criança. 

A aproximação da Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ) à comunidade, de forma transmitir a necessidade, urgente, de sinalização de qualquer situação que se constitua como mau trato físico ou psicológico às crianças e jovens é outro dos objetivos das ações agendadas para o próximo sábado, dia 29, junto da comunidade.

A III Caminhada de Solidariedade Contra os Maus Tratos na Infância (concentração na Praça Sousa Oliveira, às 9h30) será concluída com um debate, no Auditório da Biblioteca Municipal, com a participação da Presidente da CPCJ da Nazaré, Regina Piedade; do vice-presidente da Câmara Municipal, Manuel Sequeira e de um representante da Esquadra da PSP da Nazaré. 

À semelhança de anos anteriores, foi distribuído, no passado dia 31 de março, o "Calendário dos Afetos" pelas crianças de pré-escolar e primeiro ciclo das escolas e IPSS do concelho, com o intuito que este chegue a cada família e estimule práticas educativas positivas.
 
No dia 26 de abril realizar-se-á a distribuição de tubos de bolas de sabão, para atividade simultânea em todas as escolas do primeiro ciclo, pré-escolar e IPSS.
 
E, serão também distribuídos folhetos informativos pelos jovens na EB 2/3 Amadeu Gaudêncio, Externato Dom Fuas Roupinho e Escola Profissional da Nazaré, com o objetivo de alertar para a Campanha Internacional Abril - Mês da Prevenção dos Maus Tratos na Infância e os Direitos das crianças.

“A finalidade destas atividades com os jovens é despertar-lhes a consciencialização para os seus direitos, rejeitando qualquer tipo de violência. Queremos fomentar estratégias de educação positivas e que apelem aos bons cuidados parentais”, refere a CPCJ local.