Política

Nazaré propõe manutenção da quota para pesca da sardinha em 2019

A Câmara da Nazaré aprovou, ontem, por unanimidade, uma proposta a entregar à tutela das pescas onde defende a manutenção da quota da sardinha para 2019 nos valores autorizados para este ano.

No documento, que será enviado a diversas entidades com responsabilidade sobre a definição das políticas de pesca, defende-se a manutenção dos mesmos valores de pesca atribuídos em 2018; o aumento dos apoios ou financiamentos aos pescadores afetados pelos períodos de paragem e redução drástica do volume de capturas; bem como o desenvolvimento de campanhas que permitam a valorização de espécies alternativas, como a cavala ou o carapau, como forma de “revitalizar a pesca do cerco no nosso país”.

O Conselho Internacional para a Exploração dos Mares (ICES) defendeu no seu Relatório de 12 de julho de 2018 a suspensão total da pesca da sardinha em Portugal e Espanha face à redução do stock na última década. 

A concretizar-se, a medida irá afetar 80 famílias da Nazaré que subsistem da pesca do cerco e milhares de pescadores a nível nacional. 

Na proposta aprovada em reunião de Câmara, o executivo refere-se ao esforço da comunidade piscatória local para garantir a sustentabilidade deste recurso, através da paralisação da atividade e redução das capturas nos últimos 5 anos; bem como às diversas iniciativas da Autarquia para alertar a tutela sobre os impactes económicos e sociais negativos de uma redução da quota de pesca.

A sardinha é considerada um recurso de interesse estratégico para a pesca nacional. A Câmara da Nazaré defende a sustentabilidade ambiental, e deste recurso em particular, e manifesta a sua preocupação com o impacto da proposta que aponta para uma possível nova redução da quota de pesca da sardinha sobre o setor primário, assim como nos serviços (comércio, restauração e turismo).

Proposta