Atualidade

Sebastian Steudtner festeja vitória da maior onda surfada com mega festa

O alemão Sebastian Steudtner, que ganhou o prémio “Biggest Wave Award” com a onda que surfou na Praia do Norte, da Nazaré, a 11 de dezembro de 2014, festejou, na sexta-feira, dia 15, a vitória, com uma conferência de imprensa e uma grande festa, que decorreram no Maverick Surf & Guest House, a 4 km da Lourinhã.

Aos prémios WSL, que homenageiam os melhores desempenhos do ano de big riders, voltaram a ser candidatadas várias ondas, surfadas em vários spots do mundo, mas duas das vencedoras, foram surfadas nas ondas da Praia do Norte, na Nazaré.

Este ano, além de Sebastian Steudtner, também o francês Benjamin Sanchis venceu na categoria “Wipeout of the Year”, com a onda surfada na Praia do Norte, na Nazaré, a 11 de dezembro de 2014.

Os XXL Big Wave Awards homenageiam os melhores desempenhos do ano em ondas grandes, nas várias categorias. A Nazaré concorreu com outros destinos de peso, em ondas grandes, como Puerto Escondido, Jaws, Maverick, entre outros.

Estes resultados são referentes à época de ondas gigantes de 2014-2015, em que 16 surfistas se deslocaram à Nazaré, atrás do maior Swell do ano.

“Com esta promoção internacional e a vinda do prémio da Maior Onda do Mundo surfada, mais surfistas deverão deslocar-se à Nazaré na próxima época de ondas grandes, o que “será uma satisfação muito grande para o Município que irá providenciar as melhores condições para os acolher”, referiu, na sexta-feira, Walter Chicharro, Presidente da Câmara Municipal da Nazaré, na festa que Sebastian deu, em Portugal, pelo prémio conquistado.

O autarca deu os “parabéns” ao atleta e referiu que “este prémio foi mais um importante momento na promoção da Nazaré, a nível mundial, e das suas ondas, bem como do seu forte potencial para o surf e bodyboard”.

A Nazaré esteve representada na WSL em Los Angeles com três ondas. Das cinco finalistas na categoria de “maior onda do ano”, três eram da Praia do Norte, da Nazaré, e uma foi surfada pelo português Hugo Vau, que sempre acreditou na vinda do Prémio para Portugal.